A diplomacia de Tancredo Neves

A diplomacia de Tancredo Neves Em viagens internacionais, ele mostrou ao mundo a nova cara do Brasil

Há 30 anos, quando Tancredo Neves tomava posse da presidência do Brasil, as relações internacionais do país não eram produtivas. O Brasil se arrastava por uma crise econômica e precisava de fôlego, parceiros comerciais para resgatar credibilidade e demonstrar que uma abertura democrática trazia novas perspectivas.

Com sua comitiva e sempre acompanhado de sua esposa, Dona Risoleta, e de seu neto, Aécio Neves, Tancredo foi recebido pelos chefes de estado da Itália, Argentina, Portugal, Espanha, França, Estados Unidos e Peru.

Na Europa e América, Tancredo consolidou parcerias e respeito e mostrou ao mundo a sua sagacidade e transparência.

Acompanhante privilegiado nesses encontros, Aécio, ainda um jovem secretário particular, era um atento aprendiz das façanhas de seu avô. Não obstante, tempos depois, como governador de Minas Gerais, trouxe os olhos internacionais para investimentos em segurança, ciências e tecnologia para o estado mineiro.

A comitiva de Tancredo Neves que viajou por países da Europa, América Latina e, também, para os Estados Unidos, em 1985

A comitiva de Tancredo Neves que viajou por países da Europa, América Latina e, também, para os Estados Unidos, em 1985

“Política externa é mercado”, afirma sempre Aécio Neves. Mercado de grandes investimentos e sabedoria.

Independentemente do volume de negócios, as relações externas entre países são fundamentais para qualquer governo: o diálogo entre vizinhos, a boa convivência entre parceiros, a valorização de um quadro diplomático que trabalhe pela boa imagem do país. Política externa é enxergar possibilidades futuras. É traçar planos de crescimento conjunto, sobrepondo obstáculos.

Tancredo Neves deixou para os brasileiros a herança de uma abertura política construída como um verdadeiro diplomata, reparando contratempos, consolidando diálogos e abrindo espaço, porque sabia bem que rusgas diplomáticas poderiam se transformar em embargos econômicos.

Um comentário

  • ANDREA 23 de janeiro de 2015 at 20:36

    Sempre estará na nosso coracao ,um homem corajoso e honesto ..merece o reconhecimento de todos brasileiros ,com certeza tem o meu afeto e carinho em sua memoria

Não é possivel comentar.