Pão bolorento para os mineiros

Pão bolorento para os mineiros Irresponsabilidades do governo de Minas prejudicam Estado e funcionários públicos

Um ano depois de assumir o governo de Minas Gerais, Fernando Pimentel, afilhado da presidente Dilma Rousseff, vai a público dizer que os cofres estaduais não têm dinheiro para pagar os funcionários públicos em dia. A declaração do governador foi dada esta semana, após insistir que as contas públicas do Estado estão no vermelho.

Não é de hoje que Pimentel vem lamuriando. Desde 2015, ele insiste em dizer que assumiu um governo com um endividamento de mais de R$ 7 bilhões de reais. Entretanto, não foi o que comprovou o Tribunal de Contas do Estado ou a Lei de Responsabilidade Fiscal aprovando os orçamentos das gestões anteriores.

Fernando Pimentel debocha da cara do funcionalismo público mineiro, mas esquece que dois dias antes de tomar posse do governo já tinha inchado a máquina pública com a criação de três secretarias de governo, na certa, para apadrinhar os companheiros de campanha. Logo em seguida, propôs aumento de salário para governador, vice, secretários e chefes de gabinete.

Agora, para compensar a retirada de dinheiro, 2016 tem início com o aumento dos impostos em mais de 160 produtos, entre eles, o material escolar – compra essencial já no começo do ano. Estudar em Minas Gerais vai se tornar mais caro. O aumento do ICMS para material escolar passará de 12% para 18%.

Enquanto as gestões anteriores fizeram questão de reduzir o ICMS de vários produtos essenciais para o consumo, Pimentel comprova que a gestão do PT é desastrosa em qualquer esfera.

paobolorento

A verdade é que Pimentel teve a proeza de, em menos de um ano de governo, desestabilizar a economia mineira e colocar as contas do estado no vermelho. O que Aécio Neves demorou uma gestão inteira para construir, Pimentel desmoronou em meses de ingerência.

E a fórmula é sempre a mesma: por fora, bela viola. Por dentro, pão bolorento. Em 2015, Pimentel gastou mais de R$ 96 milhões de reais em propaganda publicitária para estampar uma Minas Gerais fantasiosa. Um aumento de mais de 139% a mais do que o enviado para Assembleia Legislativa.

Então, o que sobraria para o funcionalismo público? Pão bolorento!

Seja municipal, estadual ou federal, o governo do PT demonstra para o povo brasileiro que sua capacidade de inchar a máquina pública, tirar dinheiro dos cofres púbicos e nada fazer pela administração pública é generalizada.